Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Soprador de Brasas

O Soprador de Brasas

MANIFESTOS ANTIGOS

Hoje vou começar por publicar todos os meus manifestos antigos no face book, como inquietações, um por semana, e irei reflectir sobre assuntos fracturantes na nossa sociedade, tambem, todos terão o nome de INQUIETAÇÕES, por serem assuntos onde a verdade é multipla e onde é dificil haver entendimento na humanidade

Este poema marcou a minha existência e inquietou-me para sempre, foi encontrado no corpo do Aspirante paraquedista Zirnheld, das Forças Armadas Francesas Livres, morto em combate em 1942 no norte da África, especificamente na Líbia, em Tobruk, quando já retirava depois de uma missão de destruição de um aerodromo Alemão

 

Dai-me, Senhor meu Deus, o que Vos resta;
Aquilo que ninguém Vos pede.
Não Vos peço o repouso nem a tranquilidade,
Nem da alma nem do corpo.
Não Vos peço a riqueza nem o êxito nem a saúde;
Tanto Vos pedem isso, meu Deus,
Que já não Vos deve sobrar para dar.
 
Dai-me, Senhor, o que Vos resta,
Dai-me aquilo que todos recusam.
Quero a insegurança e a inquietação,
Quero a luta e a tormenta.
 
Dai-me isso, meu Deus, definitivamente;
Dai-me a certeza de que essa será a minha parte para sempre,
Porque nem sempre terei a coragem de Vo-la pedir.
 
Dai-me, Senhor, o que Vos resta,
Dai-me aquilo que os outros não querem;
Mas dai-me, também, a coragem
E a força e a fé.
 
 

Esta estrofe é a essência da aprendizagem e da Humildade de ser

 

Dai-me, Senhor, o que Vos resta,
Dai-me aquilo que todos recusam.
Quero a insegurança e a inquietação,
Quero a luta e a tormenta.

 

Dai-me aquilo que os outros não querem;
Mas dai-me, também, a coragem
E a força e a fé.
 

Esta Serie de INQUIETAÇÕES, são reflexões pessoais, baseadas, nos meus temores, nas minhas paixões, nos seres que me habitam que podem ser vários, ou por vezes simplesmente ninguem, são INQUIETAÇÕES de uma mente ávida por saber, sabendo que nada sabe e que quanto mais pensa saber, maior sensação tem de não saber, uma mente que se julga humilde numa enorme vaidade de ser,  são inquietações de um inquieto que gosta das incertezas da vida e da alma, que gosta de dias de sol e vento e trovoadas e dos elementos, de um dos 7 biliões de habitantes na terra e que pertence aos 3 biliões que tem a sorte de ter comida para dar aos filhos, sabendo que por dia morrem 16 mil crianças  no silêncio do planeta e mais grave que isso, 16 mil almas são reenviadas para o espaço onde lhes foi castrada e possibilidade de serem, uma mente inquieta com os filhos que matam os pais idosos para lhes ficarem com os bens, inquieta com um mundo onde se pretende dividir-nos por generos, raças, credos, ideologias e onde o amor cada vez é mais escasso.

 

As minhas INQUIETAÇÕES com mulheres que venero,  seu cheiro, sexo, as suas subtilezas e estranhezas que me inquietam e despertam para mim como homem e me fazem ser o meu melhor eu, cheio de amor, gentileza, cavalheirismo e charme de um caçador ingénuo que acredita no amor e na sua pureza, o meu profundo respeito pela mulher mãe, guardiã do lar e das suas crias.

 

INQUIETAÇÕES com assuntos fracturantes, a morte, a vida, a violência das mulheres para com os homens e a violência de homens crápulas contra mulheres mais frageis fisicamente e contra crianças, a espiritualdade, , INQUIETAÇÕES sobre o DEUS e o DIABO que nos habita e a possibilidade de sermos hediondos e compassivos.

 

INQUIETAÇÕES com os meus filhos amados  Catarina, Sasa, Pedro Miguel e com aqueles que ainda vierem...

 

INQUIETAÇÕES será o titulo das minhas reflexões, não programadas, porque não controlo o que penso, e o que me irá acontecer, poderei ver um velho, ou uma criança, um cão ou uma nuvem e a minha mente de principiante, a minha prespectiva de achador e não daquele que procura se emocionar e se inquietar para escrever.

 

Hoje acorder INQUIETO, como todos os dias e apaixono-me por essa incerteza e inquietude, que é tudo o que os outros não querem, mas que rogo a Deus para não me as tirar, pois são o meu mais preciso

quero-a-inquietude-do-filosofo-a-serenidade-e-a-pa

 

bem. 

 

Um bom dia

 

Soprador de Brasas

INQUIETAÇÃO PRIMEIRA: MANIFESTO DA TOLERÃNCIA E DO HUMANISMO

18056893_1897255600546934_8084961037477858692_n.jp

18058005_1897265190545975_8191271594525724435_n.jp

17953022_1897270683878759_7235869652745197166_n.jp

Decidi publicar alguns posts antigos do facebook, e rescrevê-los e blogar por aqui.

 

INQUIETAÇÃO PRIMEIRA.

 

MANIFESTO DA TOLERÃNCIA E DO HUMANISMO.

Vivemos num mundo estranho de egoismo, de exclusão , de competição permanente, de objectivos, de ser isto ou ser aquilo, ter isto ou aquilo e depois de termos já podemos deitar fora.


Há palavras criminosas usadas por vendedores de sonhos e quimeras que perseguimos como valores intocaveis e não passam de mascaras da nossa desumanidade.

 

Ontem na formaçao no estabelecimento prisional de Torres Novas reflectiamos sobre a essência do Ser Humano que criou palavras como humanismo, tolerância, inclusão, empatia, e que vive vestido com estas roupagens e que caminha por estradas bem diferentes, de exclusão, de julgamento, de inveja , as estrados do ter,  ter para ter a sensação de poder e de felicidade.

A Escola ensina a competir , não ensina a cooperar, ensina a pensar e mal e não ensina a aprender sentimentos e emoções, os média criados para nos aproximarem separam-nos com mentiras, vendem a mentira melhor paga, os politicos generalizam a nossa existência num rol de promessas e de falsidades, na saude privada  os medicos ganham à peça e nem olham a alma do doente, os soldados morrem em guerras imorais pensando que defendem causas nobres enganados pelos seus lideres, a terra empobrece aquecendo na sua aridez desertica da falta de consciência de preservar o verde, o azul e o mar e o vento...morremos devagar na ilusão de sermos eternos.

o Humanismo foi criado, para podermos ser desumanos com a consciência tranquila, a tolerância foi criada para podermos excluir de consciência tranquila, somos todos muito bonzinhos e boas pessoas, e somos 7 biliões de bonzinhos que nos destruimos a cada segundo e 3 biliões de pessoas vivem abaixo do limiar da pobreza, não têm água nem comida , nem a compaixão de ninguem.

 

O negocio da dor , o maior negocio mundia floresce, as guerras, as emigrações, as farmaceuticas, as doenças psiquicas da actualidade,  a comunicação social, vende e enriquece com o anti-social e com a morte e o sangue, as crianças são ensinadas a competir e não a cooperar, estamos a criar um mundo de perdedores, que já sentem que o normal é ser perdedor.

como podemos ser Humanistas e tolerantes se a cada segundo aprendemos com o que vemos, repetimos a banalidade da violencia, repetimos os filmes que vemos e as sensações de medo e isolamento que nos passam.,  ,

Ontem perguntava: como aprendemos mais, com a dor ou com a felicidade?...90% das respostas foi: " com a dor", enquanto estivermos nesta referência temos o nosso focus na negatividade, na culpa, na falha e nãó olhamos para os bons exemplos e os repetimos como bons para nós.


Mais uma vez a falsa tolerancia e o falso humanismo ensina-nos não pela alegria, mas pela tristeza, pela carência de amor, pela solidão das almas em cidades de multidões de almas em solidão.

Não sou nenhum exemplo, já fiz muita merda e continuo a fazer, há uma coisa que não faço, é usar esta falsa moralidade e nada fazer, a nao ser criticar tudo e todos, sem mexer uma palha para mudar.

Todos os dias uma pedra, sem nada esperar, e estranhamente,a vida aconteçe aos aventurados, quem ama, atrai amor, quem dá, vive em abundancia, e podemos dar unicamente palavras para despertar consciências e pequenos gestos e palavras de amor.

Todos estamos certos,todos temos razão, a nossa religião é a melhor, o nosso clube é o melhor, os nossos amigos são os melhores, os nossos partidos são os melhores, a nossa verdade é a melhor,  eu estou hoje certo que todos os dias podemos fazer a diferença e acima de tudo nao sermos humanistas nem tolerantes, mas sim sermos humanos na nossa essencia reptiliana, com a consciência de que podemos escolher não ser desumanos e intolerantes....

Eu quero ser um humanista, e para o poder ser, o 1ª passo é a libertação da palavra, e do seu peso hipocrita, da vergonha que sinto quando oiço a palavra humanista e saio da igreja onde me condenei pelos pecados e já estou a pecar de novo no rio hipocrita de não ser.

hoje as palavras sucesso, liderança, tolerância, feminismo, empatia, têm o peso do nosso insucesso e são usadas por aqueles que as usam no seu dia a dia como bandeiras multicores de virtudes que não possuem.....porque nada disto é verdade no nosso planeta, 70% da população mundial está em sofrimento e em niveis de pobreza e de falta de educação rigidos e estamo-nos a cagar para os outros. Essa é a verdade e vocês sabem-no mas achamos chique ser humanistas, é chique ser femea fiminista, é chique ser gay, é chique , ser o cacete, mas ser SER HUMANO está em desuso . é careta e não vende noticia.

Ensinar a amar, ensinar a perguntar, ensinar a escutar, ensinar a dar, ensinar a perguntar o nome âs pessoas, ensinar a educação, , ensinar a olhar para os outros e a não julgar, ensinar a sentir, ensinar a pertencer e a envolver..... ensinar a aprendrer a desapreder, e aprender a desobedecer, tanta coisa antes de aprendermos o que é na realidade tolerãncia ou humanismo e podermos usar estas palavras de forma hipocrita e futil em cada discurso, em cada encontro, em cada esquina ,em cada governo, em cada Presidente, em cada legislatura da exclusão.

não brinquem, acordem, competir cria vencedores e perdedores, cooperar e amar cria invenciveis.

 

Pedro Tinoco de Faria

O Soprador de Brasas

Este meu primeiro ensaio como bloguista, faz-me lembrar a primeira vez que fui ao cinema ao Casino Estoril, ver o Lawrence da Arábia com o Peter O'Toole, em 1970, fui com a minha mãe o meu primo de Angola e o meu irmão.

Avisei na escola que ia ver o Anersen no Deserto, e hoje aqui estou eu de novo passados 47 anos, numa especie de Anersan no Deserto, sem saber bem o que é um Blog, porque não tenho pachorra para ver os conselhos e instruções, mas com uma vontade incrivel de me sentar no banco do cinema e começar a escrever.

 

Um soprador de Brasas é alguem inquieto e que inquieta outras pessoas, que não toca fisicamente, mas toca espiritualmente e como a palavra diz é da mente que se trata, um soprador de mentes, um inquietador de gente e um descobrir de  quem procura a sua verdade e um inspirador de  quem foge da sua verdade como o diabo da cruz.

 

soprar um brasa, é soprar uma alma, é lançar a mente em zonas de escuridão que  se vão iluminando e fazendo sentido.

soprar uma brasa é amar as pessoas e sentir a bondade de as ajudar a ajudarem-se.

 

Boa noite

 

Pedro Tinoco de Faria

 

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Soprador de Brasas

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D