Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Soprador de Brasas

O Soprador de Brasas

ARQUETIPOS DE ANTI-HEROIS NO PANTEÃO.

306834_487428587992552_7979233_n_0_0_0_0.jpg

Morreu o Zé Pedro, e só ouvi falar bem dele,  como uma pessoa excepcional, um fixe, um homem da musica e do rock, o homem dos chutos e ponta pés. 

 

Não o conheci e já fazendo um esforço para não julgar os vivos, os mortos não julgarei, e o Zé Pedro, para mim fica-me na memória como um homem dos chutos e ponta pés que viveu a vida como desejou ou pelo menos mostrou desejar.

 

Há pouco tempo jantava-se no Panteãp Nacional e o povo revoltou-se pela desonra dos mortos do Panteão, quais herois da Nação, escolhidos para lá estar não pela Nação, mas por eleitos pseudo Intelectuais, que estudam as virtudes das pessoas, e foi assunto para semanas  motivo de tempo de antena e acusações partidarias.

 

Ontem o Presidente da Républica, os Partidos Politicos, as Televisões apresentavam esta morte do Zé Pedro, como um evento Nacional e com o ar que o momento merece de respeito pelo vivos, deu-lhe um ar ainda mais solene, porque  o puto Zé Pedro é elevado a Heroi Nacional algo que penso que o proprio Zé Pedro na sua vida de Anti-Heroi e Arquetipo do  Naõ-Heroi reclamava , porque assumiu que levou uma vida de vicio, de heroina e de drogas e excessos e musica que o levaram talvez a morrer tão prematuramente.

 

Este facto de elevação de um puto a Heroi Nacional que se drogou e injectou heroina nas veias até rebentar revolta-me particularmente não por ele que está morto e merece o descanso eterno,  mas pela hipocrisia Nacional de dor que nos querem vender e eu não consigo partilhar, por simbolos que não são simbolos para todos, para uma parte sim sem duvida pela sua musica e as massas que arrastava, mas não para todos e para mim não, não merece este alarde.

 

De repente tantas pessoas morreram que deram tanto ao pais, que deram às outras pessoas, médicos anónimos, advogados, Militares, poetas, filosofos, Homens de estado que foram na sua vida tão relevantes e grandiosos e nem uma flor foi enviada por esta gente que decide quem é um morto Importante  e quem é para  para a cova sem alardes.

 

Mereciam este alarde por exemplo  e serem recordadas as memorias do Furriel Pires e do Tenente Coimbra combardemente mortos pelos paladinos da hipocrisia que hoje nos governam e que nem os desejaram recordar no ultimo 25 de Novembro, não andaram na heroina e na Coca, não tocavam guitarra, não eram celebres pela sua vida incerta, mas sim deram a vida por todos aqueles que agora em liberdade podem brincar aos novos Arquetipos de Herois, de vidas desgastadas pelo vicio, por alimentar um mercado da droga que nos mata e viver de forma vadia sem pensar muito na sua imagem e no exemplo para os jovens que se começam a injectar.

Lembro me do Filosofo Agostinho da Silva, pensador, um homem com uma vida de aventura e saber fantastica e um anti-heroi ele tambem que ficou no esquecimento, talvez por não ser moda fumar umas ganzas e Xutar do bom cavalo, e dizer yeye e tocar guitarra.

 

Esta  onda de sublime hipocrisia junto à morte e iconizaçao de alguem que foi o que foi, somente um jovem perdido num mundo de musica e drogas que tinha na alma essa capacidade de fazer musica e ser FIXE,  é uma farsa de alguns e de repente o pais não VAI para o Panteão Nacional, mas para o Museu dos Coches celebrar aquele que É UM NOVO ICONE  da NAÇÃO, mas que para  mim não é,  e revela o  desnorte moral em que andamos â procura desesperada de simbolos e de Arquetipos de Herois, que muito pouco fizeram pela Nação, não lhes tirando o mérito e os eternizamos como sublimes na Morte.

 

Não sei se o Zé vai para o Panteão Nacional, mas se for espero que grandes concertos e grandes ganzas passem a ser obrigatorias no Panteão e decretem que isso é que é moda e isso é que é ser Português, isso é a nossa genuinidade de vulgarizar o que realmente devem ser os simbolos e os Icones Nacionais

 

Contra o Zé Pedro, nada tenho, acho que foi igual a si mesmo e estas homenagens em vez de homenagearem fazem exactamente o contrario,  da forma como viveu na sua propiia coerência,  a do ANTI HEROI, na sua humildade no sucesso e ai sou eu que lhe faço a homenagem e que teve a infeliz sorte da sua morte de ser aproveitada publicamente para mostrarmos ao Mundo e ao Pais o que temos de melhor, uma CRISE DE VALORES BRUTAL E FALTA DE NORTE e nada de melhor termos para prestar homenagem, o aproveitamento da comemoração da morte alheia para colher frutos politicos de boys fixes é uma vergonha para a qual estamos predestinados e destinados e so me apetece dar lhes CHUTOS E PONTAPÉS.

 

Ao Agostinho da Silva, ao Tenente Coimbra e ao Furriel Pires, e a todos os grandes que nos passaram ao lado, a minha homenagem e o meu voto para serem Herois Nacionais e icones de valores de vida.

 

Pedro Tinoco de Faria

11 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Soprador de Brasas

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D